Itaberaí pode ter apagão, é o que afirma o vi­ce-go­ver­na­dor e pre­si­den­te da Celg, Jo­sé Eli­ton.
O vi­ce-go­ver­na­dor e pre­si­den­te da Celg, Jo­sé Eli­ton, anun­ciou on­tem que o Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia já ava­li­zou o Pla­no de Re­es­tru­tu­ra­ção da com­pa­nhia, apre­sen­ta­do em ja­nei­ro pe­lo go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo (PSDB), e dis­se que a li­be­ra­ção do em­prés­ti­mo de R$ 2,7 bi­lhões de­pen­de ago­ra do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da. 
 
Co­mo a pri­mei­ra das du­as par­ce­las, no va­lor de R$, 1,2 bi­lhão, não foi li­be­ra­da em mar­ço, co­mo es­ta­va pro­gra­ma­da no Pla­no, e já se an­te­ci­pan­do a pos­sí­veis en­tra­ves de or­dem po­lí­ti­ca, Jo­sé Eli­ton de­ta­lhou, em au­diên­cia pú­bli­ca re­a­li­za­da on­tem pe­la ma­nhã na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, a al­ter­na­ti­va do go­ver­no pa­ra ob­ter o apor­te fi­nan­cei­ro. Tra­ta-se de uma no­va mo­de­la­gem, com a par­ti­ci­pa­ção do Ban­co de In­ves­ti­men­tos Cre­dit Su­is­se, que de­ve ser fe­cha­da nos pró­xi­mos di­as.

Mes­mo sen­do pro­vo­ca­do por um dos par­ti­ci­pan­tes da au­diên­cia, o vi­ce-go­ver­na­dor evi­tou co­men­tar even­tua­is in­ge­rên­cias de or­dem po­lí­ti­ca por par­te do go­ver­no da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT), na de­mo­ra de um si­nal po­si­ti­vo do Pla­nal­to em re­la­ção ao plei­to de Mar­co­ni. 
“A Celg pre­ci­sa de al­ter­na­ti­vas. Na hi­pó­te­se de o go­ver­no fe­de­ral en­ten­der que não é ade­qua­da a ope­ra­ção apre­sen­ta­da a ele pe­lo go­ver­no de Go­i­ás, va­mos bus­car ou­tra for­ma de apor­te fi­nan­cei­ro, se bem que do pon­to de vis­ta téc­ni­co já há a ma­ni­fes­ta­ção do Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia ava­li­zan­do a pro­pos­ta que lhe foi apre­sen­ta­da”, fri­sou. 

Di­fe­ren­te­men­te da pro­pos­ta apre­sen­ta­da ao go­ver­no fe­de­ral, Jo­sé Eli­ton ex­pli­cou que o mo­de­lo que vem sen­do dis­cu­ti­do com o ban­co su­í­ço não pre­vê to­ma­da de em­prés­ti­mo pa­ra apor­te de ca­pi­tal, mas que os va­lo­res são os mes­mos aos apre­sen­ta­dos ao go­ver­no fe­de­ral. “Es­sa no­va mo­de­la­gem não im­pli­ca  apor­te de va­lor, por­que não se­rá fei­ta (a tran­sa­ção) em es­pé­cie, se­rá fei­ta em tí­tu­los”. Con­for­me o pre­si­den­te da Celg, o ban­co su­í­ço par­ti­ci­pa­ria da es­tru­tu­ra­ção da ope­ra­ção, com­pre­en­di­da en­tre o iní­cio do pro­ces­so, a sua fi­na­li­za­ção e a bus­ca do par­cei­ro es­tra­té­gi­co. An­tes, po­rém, já ha­vi­am si­do son­da­das al­gu­mas ins­ti­tu­i­ções fi­nan­cei­ras co­mo os ban­cos Itaú, San­tan­der, Vo­to­ran­tin, Cai­xa Eco­nô­mi­ca e Ban­co do Bra­sil, mas que não mos­tra­ram o mes­mo in­te­res­se da cor­po­ra­ção su­íça.  
Pa­ra mos­trar que a no­va di­re­ção da com­pa­nhia ado­tou no­vos pro­ce­di­men­tos de tra­ba­lho, Jo­sé Eli­ton dis­se que há em cur­so um no­vo pa­drão  de go­ver­nan­ça, “de mo­do a dei­xar cla­ro a to­dos os ope­ra­do­res do se­tor elé­tri­co e do se­tor fi­nan­cei­ro que os pa­drões de go­ver­nan­ça da Celg são em­pre­sa­ri­ais, sem qual­quer in­ge­rên­cia po­lí­ti­ca nas de­ci­sões da com­pa­nhia”.

Em qual­quer uma das du­as pos­si­bi­li­da­des de fe­char a ne­go­ci­a­ção, se­ja com o go­ver­no fe­de­ral ou por meio do Cre­dit Su­is­se, Jo­sé El­ti­on en­fa­ti­zou, em en­tre­vis­ta à im­pren­sa, que o Es­ta­do con­ti­nu­a­rá sen­do o mai­or acio­ná­rio da com­pa­nhia ener­gé­ti­ca. “Es­sa é uma ques­tão so­bre a qual não há qual­quer ti­po de ne­go­ci­a­ção. O go­ver­na­dor já des­ta­cou is­so, e a Celg tam­bém. O que é pos­sí­vel ao fi­nal des­sa es­tru­tu­ra­ção é a alie­na­ção de até 49% das ações da Celg, sem que o nos­so con­tro­la­dor, o es­ta­do de Go­i­ás, per­ca o con­tro­le da em­pre­sa”.

Luz pa­ra to­dos 
Co­mo re­sul­ta­do do no­vo mo­de­lo de ges­tão da Celg, de con­ten­ção de des­pe­sas, cor­te e re­vi­são de con­tra­tos, a com­pa­nhia re­to­ma­rá o pro­gra­ma Luz pa­ra To­dos, que se­rá lan­ça­do nes­te sá­ba­do, em Al­vo­ra­da do Nor­te, pe­lo go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo.
No even­to se­rão anun­ci­a­das du­as mil pro­pri­e­da­des ru­ra­is be­ne­fi­ci­a­das, de um to­tal de 20 mil que ain­da não con­tam com o be­ne­fício no Es­ta­do. “A Celg vai aten­der aqui­lo que cons­ta do nos­so ca­das­tro”, dis­se Jo­sé Eli­ton, sa­li­en­tan­do que os res­pec­ti­vos con­tra­tos fo­ram as­si­na­dos com o Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia.

Por causa do es­tran­gu­la­men­to de de­ter­mi­na­das áre­as de atu­a­ção da Celg, em vir­tu­de da fal­ta de in­ves­ti­men­tos nos úl­ti­mos anos, ele aler­tou que ain­da não es­tá des­car­ta­da a pos­si­bi­li­da­de de apa­gões se­to­ri­ais, no Es­ta­do. As re­gi­ões mais sus­ce­tí­veis são a de Cris­ta­li­na, Ca­ta­lão e Ita­be­raí. “São re­gi­ões ab­so­lu­ta­men­te crí­ti­cas do sis­te­ma ge­ren­ci­a­do pe­la Celg”.

Di­an­te das di­fi­cul­da­des eco­nô­mi­co-fi­nan­cei­ras da com­pa­nhia, Jo­sé Eli­ton foi cla­ro ao afir­mar que a Celg dei­xou de ser in­du­to­ra do de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do e pas­sou a ser de­fi­ni­ti­va­men­te uma li­mi­ta­do­ra des­se pro­ces­so. Is­so por­que ela não mais aten­de à de­man­da ener­gé­ti­ca. 
“Ho­je, na ver­da­de, a Celg não per­ten­ce mais aos go­i­a­nos, não per­ten­ce mais ao Es­ta­do de Go­i­ás. Na ver­da­de, a Celg, ho­je, per­ten­ce aos seus cre­do­res”, afir­mou, sa­li­en­tan­do que o fo­co, ago­ra, é res­ga­tar es­se pa­tri­mô­nio.
 
Ações va­lo­ri­za­das  
Os re­sul­ta­dos são al­vis­sa­rei­ros, se­gun­do o pre­si­den­te da com­pa­nhia, já que nos três pri­mei­ros mes­es de 2011 fo­ram eco­no­mi­za­dos R$ 99 mi­lhões. 
Quan­to à va­lo­ri­za­ção das ações da Celg, em 40%, de ja­nei­ro até ago­ra, Jo­sé Eli­ton dis­se que es­se fa­to não se dá de um dia pa­ra o ou­tro. É re­sul­ta­do exa­ta­men­te do no­vo mo­de­lo ado­ta­do no go­ver­no Mar­co­ni Pe­ril­lo. “Hou­ve uma si­na­li­za­ção mui­to for­te do mer­ca­do, pe­lo am­bi­en­te de con­fi­an­ça que per­meia a Celg ho­je. No pas­sa­do o am­bi­en­te era de des­con­fi­an­ça, por­que não cum­pria com as su­as obri­ga­ções”.