Casamento dentro do presídio de Itaberaí reune 150 convidados



Um casamento comunitário, realizado dentro da Unidade Prisional de Itaberaí, pertencente à 2ª Gerência Regional da Agência Goiana do Sistema de Execução Penal (AGSEP), nesta terça-feira, 31/01, reuniu as autoridades da cidade e familiares de presos em um único espaço. Cinco casais, entre eles seis internos do presídio, foram os protagonistas da cena. A cerimônia, realizada no pátio de banho de sol do estabelecimento, teve direito à decoração especial, recepção, música ao vivo, tapete vermelho, mesas e cadeiras, fotógrafo e cerimonial profissionais, e até um almoço de confraternização. O evento reuniu 120 convidados. Esse foi o primeiro casamento a ser realizado em um ambiente prisional na cidade.

Os noivos vestiram-se a caráter, estando os homens de terno completo e as mulheres de vestido de noiva. Entre os padrinhos estavam o prefeito da cidade, Benedito Caetano, e sua esposa. As bênçãos foram dadas pelo pastor Edson, da Igreja Batista. Compareceram também ao casamento o promotor de Justiça da cidade, Paulo Henrique Otonho; o Major Porfírio da 4ª Cia. da PM; o vereador da cidade, Eliene de Souza; o diretor do presídio, Ari Rodrigues e o presidente da AGSEP, Edemundo Dias de Oliveira Filho. Trocaram as alianças o detento Gilmar Luis de Souza (24) e Graziele Oliveira de Carvalho (25); o detento Thiago Antônio Cardoso dos Santos (20) e Lineide Gomes Sales (19); o detento Deusmar de Souza (30) e Fernanda Augusta da Silva Souza (26); o detento Renato Lagares (26) e  Elaine Lagares (27); e os detentos Geni Vieira dos Santos (26) e Rafael Pinheiro (23).

 De acordo com o presidente da Agência, Edemundo Dias, o casamento dentro da Unidade Prisional de Itaberaí tem uma simbologia que revela a filosofia da atual gestão da administração penitenciária em Goiás, ou seja, a do exercício permanente de ações de reintegração social. “Em um momento em que a instituição família e o sacramento divino do casamento estão falidos, no contexto da contemporaneidade, os internos de uma unidade prisional dão exemplo do resgate de valores sociais que sustentam a humanidade. Isso revela que é possível restaurar pessoas que se encontram dentro do cárcere. Quando as pessoas resolvem casar-se dentro de um sistema prisional, dentro de um ambiente violento e violentado, de natureza hostil, elas demonstram que ainda há dentro delas a esperança de uma vida melhor. Elas poderiam apenas trocar alianças silenciosamente, mas trouxeram suas famílias e aceitaram a cerimônia, as testemunhas, a igreja e os padrinhos. Isso é exemplo de vida”, explicou Dias. O gerente 2ª Regional da AGSEP, Luciano Rodrigues Silva, um dos organizadores do evento, disse que eventos como a cerimônia realizada dão ânimo para prosseguir o trabalho na execução penal. “Quando eu vejo ações como essa eu acredito que a reinserção social do detento é possível. Graças aos parceiros temos conseguido fazer isso acontecer”, disse ele.

O casamento foi realizado a partir de parcerias com empresários locais, que doaram as roupas dos noivos, e a prefeitura da cidade, que doou a tenda, mesas e cadeiras, além da alimentação servida.

Fonte: Agência Goiana do Sistema de Execução Penal